Violência, pandemia e esteriótipos fazem parte de rotina de psicóloga brasileira na África do Sul – 18/07/2021


A psicóloga brasileira Mara Perrotti acompanha de casa, em Joanesburgo, as últimas notícias sobre a onda de violência na África do Sul, como se já não bastassem as consequências da pandemia na vida de quem mora no país que registrou quase 40% dos casos de Covid-19 no continente africano. A paulistana se disse triste e surpresa ao ver isso acontecendo, mas nada que a abale psicológicamente ou a impessa de continuar pensando em ajudar os outros.

A psicóloga brasileira Mara Perrotti acompanha de casa, em Joanesburgo, as últimas notícias sobre a onda de violência na África do Sul, como se já não bastassem as consequências da pandemia na vida de quem mora no país que registrou quase 40% dos casos de Covid-19 no continente africano. A paulistana se disse triste e surpresa ao ver isso acontecendo, mas nada que a abale psicológicamente ou a impessa de continuar pensando em ajudar os outros.

Por Vinícius Assis, correspondente da RFI na África do Sul

Por ter morado em São Paulo ela diz que, “infelizmente”, já está um pouco familiarizada com manifestações violentas. “Lá acontece também. É um desastre isso, triste de se ver. Em São Paulo, a gente já convive com violência. Então, a gente fica meio ‘casca grossa’ com isso”, afirmou. Mas ela sabe que outros brasileiros vivendo no país ou que pensam em ir para a África do Sul acabaram ficando preocupados. “É ruim, pois a pessoa já começa a pensar em ir embora”, lamentou.

Um dia antes de o governo sul-africano impor um dos confinamentos nacionais mais rígidos do mundo, no fim de março do ano passado, por conta da pandemia, ela desembarcou em Joanesburgo, onde vive com o noivo (também brasileiro). Há mais de dois anos a psicóloga trabalha remotamente, antes de boa parte da população mundial ter sido forçada a aderir a esta rotina. Ao contrário de outros psicólogos, a brasileira não vê problema em chamar quem ela atende de paciente, pois acredita que isso não significa tratá-los como doentes.

“A gente parte da premissa de que paciência é a ciência da paz. Então, eles estão vindo buscar a paz. Tem gente que os chamam de clientes. Me agrada muito esse cunho de vir buscar a paz”, explicou.

Logo no início da entrevista, virtual, a brasileira se revelou apaixonada pelo único filho, que tem 23 anos e está no Brasil, pela profissão e se mostra íntima da ideia de se olhar para outro ser humano como se estivesse vendo a própria imagem refletida no espelho. Não por acaso escreveu no perfil dela em uma rede social uma frase de apresentação atribuída a Gandhi que resume esse conceito:”Eu e tu somos um só, não posso te magoar sem me ferir”.

Atendimento gratuito

Tendo percedido o quanto a pandemia estava deixando muita gente ansiosa e preocupada, Mara fez um anúncio oferecendo atendimento psicológico gratuito a brasileiros na África do Sul. O post se espalhou em redes sociais e dez mulheres procuraram a psicóloga. Quatro ainda moravam no país. Outras tinham acabado de voltar para o Brasil. Mas o anúncio dela chegou também a brasileiras no Canadá e na Austrália. Todas se sentindo sem rumo.

“Eu queria muito contribuir com alguma coisa neste momento que estamos vivendo. Achei que utilizar meu trabaho, minha escuta, ia confortar um pouco coração das pessoas”, contou.

Mara preza pela privacidade das pacientes, mas revelou que quase todas estavam bem mais carentes afetivamente. E como o distanciamento físico passou a ser regra de comportamento, a saída para algumas brasileiras foi se aventurar nos aplicativos de relacionamentos. Isso escancarou uma realidade enfrentada por muitas no exterior: ter que lidar com o esteriótipo de mulher fácil.

“Brasileiro tem um esteriótipo internacional meio complicado, principalmente as mulheres. A mulher brasileira é vista como muito sensual, muito sexualizada. Elas acabam recebendo propostas que passam do limite do que seria gentil”, analisou. A psicóloga tem pacientes homens, mas disse que durante a pandemia só foi procurada por mulheres querendo atendimento e que a inquietação nos pacientes homens tem sido mais em relação à questão financeira.

Solidão

O lockdown aumentou a solidão das pessoas, ainda mais na África do Sul que, em março do ano passado, implementou um dos mais rígidos planos de confinamentos nacionais do mundo por conta da pandemia. A “falta de troca” pesou, de acordo com a psicóloga. “O ser humano é um ser social. A gente precisa do outro para saber quem a gente é, para ter essa troca. Isso começou a gerar uma ansiedade, agitação. Muitas (pacientes) apresentaram quadro de insônia porque não aguentavam mais ficar em lockdown”, contou.

A brasileira explica que o movimento psíquico sabe ligar as defesas do ser humano, os instintos de cada um para sobrevivência, para se reagir a crises. “A gente só precisa usar de criatividade para reinventar esse nosso cotidiano”, completou. Mas o que era para ter sido uma alternativa criativa de solução acabou gerando ainda mais complicação para as brasileras.

“Quando a gente imagina que a gente está em lockdown e a gente está querendo fazer amigos para trocar experiências para se sentir um pouco mais socialmente ativo necessariamente a gente não precisa chegar a uma conversa de cunho sexual”, disse. A psicóloga contou que todas relataram que buscaram esse recurso relataram a mesma situação: chega um momento em que o “jeito” brasileiro entra em campo na conversa, exaltando quase sempre o carnaval, o biotipo da mulher e o desempenho sexual delas.

“É muito triste. Há quatro ou cinco que querem muito se relacionar mas não conseguem. Não sei te dizer se essa é mesmo uma condição para que isso não aconteça. Essa realidade foi algo que me chocou bastante. Eu tinha ideia do que era, mas agora ficou muito claro para mim”, analisou.

A psicóloga diz que como profissional ela não orienta, mas ajuda cada paciente a pensar no próprio bem estar, trazendo recursos que cada um tem para lidar com isso. “Vou questionando, ajudando a pensar nesse assunto”, disse.

Como experiência pessoal, ela conta que nem usa na África do Sul algumas roupas que costumava usar no Brasil, por exemplo. “Eu me adaptei com o que eu quis me adaptar”, ressaltou.

Crises nos casamentos e dificuldades de se relacionarem com os filhos também foram problemas enfrentados pelas novas pacientes brasileiras, muitas distantes do resto da família e nem sempre dominando o idioma falado onde vivem atualmente. Porém, Mara disse que nenhuma delas continuou a procurar a psicóloga. “Senti que estavam só querendo apagar incêndio. Elas vinham mais para desabafo do dia a dia”, lamentou.

Um hábito que ela adotou para si e recomenda a todos, ainda mais na pandemia, é fazer uma revisão da vida, se perguntando sempre se está feliz. “Eu enxergo a vida como uma viagem. Como vou aproveitar essa viagem? O que quero viver neste período? O que faz sentido para mim, o que me deixaria feliz?”, colocou. Ela revelou que ainda deseja viver tempo suficiente para ser avó, mas que é saudável pensar na possibilidade de estar vivendo o último dia sempre se perguntando: “Se hoje fosse seu último dia de vida estaria feliz com aquilo que construiu?”. 





FONTE ORIGINAL DA MATÉRIA

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Classificados D - Site de Anúncios Classificados Grátis
Logo
Redefinir Senha
Comparar itens
  • Total (0)
Comparar
0
Shopping cart