Sem provas, Bolsonaro diz que chips do Inmetro em postos eram fraudáveis – 25/11/2021


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que demitiu toda a diretoria do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) após o órgão tentar colocar chips em bombas de combustível para evitar fraudes. Segundo o mandatário, no entanto, o governo teria descoberto a tempo que o serviço era fraudável. Bolsonaro não apresentou provas de sua acusação. As demissões ocorreram em fevereiro de 2020.

“Eles já haviam terminado os testes, mas, antes de botar, descobrimos que [o chip] era fraudável. O que eu fiz? Demitimos toda a diretoria do Inmetro”, afirmou o presidente, durante a transmissão de sua live semanal, realizada nas redes sociais. “Quando aconteceu, não faltou uns urubus querendo indicar seus nomes pra lá. Botei um coronel, levei porrada. O coronel não deixou [colocar chip nas bombas]. No mínimo uns R$ 4 bilhões iam arrancar de vocês. Agora o que eu sofro com isso? Pancada de todo lugar”, acrescentou, em seguida.

O Inmetro tentou implantar por meio de um dispositivo a certificação digital das bombas medidoras de combustíveis. A ação seria para evitar fraudes eletrônicas que adulteram o volume do combustível e trazer maior segurança ao consumidor na hora de abastecer o veículo.

Em sua descrição no site do próprio governo, na prática, o chip permitiria que a pessoa recebesse, “em um aplicativo de celular, a leitura real da quantidade de combustível que passa pela bomba, ou seja, o consumidor terá a certeza que está levando a quantidade do produto que de fato pagou”.

O Inmetro é considerado uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Economia que tem como uma de suas funções verificar e fiscalizar a observância das normas técnicas e legais relativas a unidades de medidas.





LINK ORIGINAL DA MATÉRIA

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Classificados D - Site de Anúncios Classificados Grátis
Logo
Comparar itens
  • Total (0)
Comparar
0
Shopping cart