Confira o que disseram os pilotos após o GP dos EUA da F1


Hamilton e Verstappen se cumprimentam no pódio do GP dos EUA

Hamilton e Verstappen se cumprimentam no pódio do GP dos EUA

Foto: Mercedes / Twitter

O Grande Prêmio dos Estados Unidos, realizado no Circuito das Américas, em Austin, Texas, foi marcado pela vitória de Max Verstappen. Com o triunfo, o holandês aumentou de 6 para 12 pontos a vantagem sobre Lewis Hamilton na classificação do campeonato. Agora, restam cinco etapas para o final da temporada. 

Os pilotos falaram ao site oficial da F1 após a corrida, e o calor foi apontado como o grande vilão por quase todos. O clima fez a prova ser bastante desgastante fisicamente, além de provocar um superaquecimento dos pneus. Com os pneus fora da temperatura ideal, o desgaste foi excessivo, o que complicou ainda mais a vida dos pilotos e das equipes. 

Confirma as principais declarações dos 10 primeiros colocados do GP dos Estados Unidos: 

Verstappen garantiu mais uma vitória na F1

Verstappen garantiu mais uma vitória na F1

Foto: Red Bull / Twitter

1º – Max Versappen: “Pressão o tempo inteiro”
Para o holandês da Red Bull, a corrida foi decidida na primeira rodada de paradas nos boxes, quando ele retomou a liderança perdida para Lewis Hamilton na largada. 

“Foi uma corrida empolgante e é incrível vencer em frente a todos esses torcedores. A pressão estava lá o tempo inteiro, sem saber quão rápido o Lewis poderia ser. Eu achei que tinha largado bem, mas o Lewis largou ainda melhor. Então, tivemos que ser agressivos na estratégia depois de perder a liderança e paramos cedo no primeiro stint.”, contou ao site da Fórmula 1. “Demos nosso melhor hoje enquanto time e foi ótimo ter o Checo comigo no pódio”. 

Hamilton acho que poderia vencer o GP dos EUA

Hamilton acho que poderia vencer o GP dos EUA

Foto: Mercedes / Twitter

2º – Lewis Hamilton: “Pensei por um momento que poderíamos ganhar hoje”
O heptacampeão largou bem e assumiu a liderança, mas a perdeu para Verstappen graças à boa estratégia da Red Bull. No trecho final da corrida, Hamilton tirou vantagem de 8 segundos de Verstappen e chegou próximo nas voltas finais, mas não conseguiu a ultrapassagem. 

“Primeiramente, parabéns ao Max pelo trabalho brilhante hoje. Eu realmente pensei por um momento que poderíamos ganhar hoje. Dei tudo de mim. Foi uma corrida muito dura, mas, infelizmente, não deu. A Red Bull tinha um algo a mais, não pudemos batê-los. Parecia que eles tinham uma traseira mais estável, escorregava menos”, contou Hamilton. “A largada foi ótima, e no final chegamos perto, mas os pneus aqueceram demais com o ar sujo nas últimas voltas. Agradeço à equipe pelo trabalho incrível de pit stops e por todo o esforço. Não deu dessa vez, mas vamos para a próxima.” 

Perez foi ao pódio pela segunda corrida seguida

Perez foi ao pódio pela segunda corrida seguida

Foto: Red Bull / Twitter

3º – Sergio Perez:  Foi a corrida mais longa e mais difícil da minha vida”
Conquistando seu segundo pódio seguindo, o mexicano parece recuperar o bom momento. Mas, apesar de correr praticamente sozinho durante toda a corrida, longe da briga entre Verstappen e Hamilton e a uma distância segura de Leclerc, que vinha atrás, Perez não teve vida nada fácil. Sem poder beber água, o piloto ficou esgotado. 

“Foi a corrida mais longa e mais difícil da minha vida. Eu já não estava me sentindo muito bem antes da corrida, e meu sistema de bebida quebrou na primeira volta. Com o calor de hoje, foi muito difícil fisicamente. Eu estava sofrendo, e lá pela volta 20 eu estava esgotado. Uma pena, porque não pude acompanhar o ritmo do Max e do Lewis.” contou o exaurido Perez. “Estou muito ansioso pelo GP do México. O time já foi bem lá no passado e acho que teremos um bom pacote para minha corrida em casa. Mal posso esperar, e espero estar no pódio de novo em frente aos meus fãs locais.” 

Leclerc ficou feliz com o 4º lugar

Leclerc ficou feliz com o 4º lugar

Foto: Ferrari / Twitter

4º – Charles Leclerc: “Nosso ritmo foi uma surpresa positiva”
A disputa entre Ferrari e McLaren foi intensa mais uma vez. Mas só para os outros três pilotos envolvidos. Leclerc escapou da briga e ficou seguro no quarto lugar, longe do alcance dos rivais de laranja e do colega de equipe. O monegasco, que ficou a uma posição do pódio pela sexta vez no ano, também destacou o desgaste físico da prova. 

“Que corrida! Foi definitivamente uma das corridas mais físicas da minha carreira. A traseira estava escapando demais e as temperaturas subiam por isso. Mas estou satisfeito com a minha performance. Não acho que tinha muito mais a entregar, levei o carro ao limite em todas as voltas. Nosso ritmo foi uma surpresa positiva.” Leclerc creditou a melhora do carro ao staff da Ferrari: “Gostaria de mandar um grande muito obrigado a todos na fábrica em Maranello e ao pessoal de pista pelo trabalho que fizeram. Esse resultado é uma amostra do trabalho deles.” 

Ricciardo conseguiu superar a Ferrari de Sainz

Ricciardo conseguiu superar a Ferrari de Sainz

Foto: McLaren / Twitter

5º – Daniel Ricciardo: “Foi uma corrida traiçoeira”
O australiano travou uma bela briga com a Ferrari de Carlos Sainz e levou a melhor. Outro ponto de destaque da corrida de Ricciardo foi o fato de superar seu colega Lando Norris, o que tem sido uma tarefa árdua ao longo do ano.  

“Estou muito feliz. Não éramos mais rápidos que as Ferraris, por isso fiquei feliz de vencer um deles. Tive que me defender com força por algumas voltas, mas fico feliz que tenha dado certo. Foi uma corrida traiçoeira. Mas, acho que, no papel, o 5º lugar é muito bom. Bons pontos. Roubamos alguns pontos do Sainz, e o Bottas ainda o passou no final. Acabou sendo uma contenção de danos para nós. Vamos voltar no México e espero que tenhamos um pouco para mostrar mais contra eles.” 

Bottas não além do 6º lugar no GP dos EUA

Bottas não além do 6º lugar no GP dos EUA

Foto: Mercedes / Twitter

6º – Valtteri Bottas: “Não sei se poderíamos fazer muito mais”
O finlandês trocou parte da unidade de potência de seu Mercedes mais uma vez e, novamente, perdeu posições no grid de largada. Saindo de 10º, ele acabou preso no ritmo dos carros da frente e não teve uma corrida de grande destaque. A ultrapassagem sobre Sainz na última volta ainda lhe rendeu o 6º lugar, que não foi de todo ruim dado o contexto da prova. 

“Foi uma corrida bem monótona para mim. Tentamos nosso melhor, mas não foi fácil lutar no meio do pelotão. Progredir estava difícil e sabíamos que seria assim por causa da temperatura e das características da pista. Quando eu ficava preso atrás de carros mais lentos, o ritmo não era tão diferente para conseguir passar com facilidade. Não teve nenhum safety car ou algo que pudéssemos aproveitar, mas, de onde larguei, não sei se poderíamos fazer muito mais.” 

Sainz esperava um resultado melhor

Sainz esperava um resultado melhor

Foto: Ferrari.jpg / Twitter

7º – Carlos Sainz: “Frustrante. Eu tinha ritmo para ser 5º”
O espanhol lutou contra Ricciardo por toda a corrida e poderia ter tido um resultado melhor não fosse um pit stop lento, que lhe custou alguns segundos. Na corrida passada, na Turquia, a Ferrari já havia tido problemas em um pit stop com Sainz. Algo a se trabalhar para as etapas finais do ano. 

“Foi uma corrida frustrante por que eu tinha ritmo para ser 5º, mas as coisas não aconteceram do nosso jeito hoje. Tive uma luta intensa com as McLarens na primeira volta, com os carros mudando bastante de posição, e no fim, devolvi uma posição para o Ricciardo pensando ser o Lando. No segundo stint, eu estava atrás do Daniel, tentamos o undercut, e teria funcionado, mas infelizmente tivemos um pit stop lento e acabei preso atrás do Daniel de novo. Acabei estragando os pneus tentando mudar o traçado para passá-lo, e isso acabou permitindo que o Bottas me alcançasse no final.” 

Norris não teve um dia para recordar

Norris não teve um dia para recordar

Foto: McLaren / Twitter

8º – Lando Norris: “Não foi um dia bom”
O jovem inglês teve corrida discreta nos Estados Unidos. Eclipsado pelo companheiro Daniel Ricciardo, Norris acabou sendo um coadjuvante na briga McLaren-Ferrari. Para ele, uma corrida para esquecer. 

“Corrida muito difícil hoje. O vento e a temperatura tornaram muito difícil poupar pneus, isso significa que sofremos um pouco com o ritmo, comparado ao da Ferrari, que estava muito forte hoje. A largada foi bem empolgante, mas não fomos capazes de ficar na frente das Ferraris. Não foi um dia bom. Só quero voltar logo para o carro e continuar trabalhando duro para progredir na nossa batalha no campeonato.” 

Tsunoda ficou satisfeito com o 9º lugar

Tsunoda ficou satisfeito com o 9º lugar

Foto: AlphaTauri / Twitter

9º – Yuki Tsunoda “Foi um dia muito bom”
Se Norris não gostou da corrida, o mesmo não se pode dizer de Tsunoda. A equipe optou por uma estratégia diferente das demais equipes: Tsunoda e Gasly largaram com pneus macios, contra médios dos rivais do top 10. À primeira vista, poderia parecer uma desvantagem, já que os pneus durariam pouco. Mas a ideia acabou dando certo. Tsunoda pontou, e Gasly só não fez o mesmo porque sofreu uma quebra de suspensão. 

“Foi um dia muito bom hoje. Consegui fazer pontos importantes para o time no campeonato, e fico muito feliz por isso. Foi muito difícil, estava quente demais! Não foi fácil largar com pneus macios, diferente de todo mundo em volta. Isso representou uma vantagem na primeira volta, e tentei aproveitar ao máximo. O ritmo estava bastante bom, e fico satisfeito por sair daqui com pontos.” 

Vettel fechou a zona de pontuação do GP dos EUA

Vettel fechou a zona de pontuação do GP dos EUA

Foto: Aston Martin / Twitter

10º – Sebastian Vettel: “De onde largamos, um ponto é um bom resultado”
Largando em 18º graças a uma troca de motor e vindo de uma sequência em que havia pontuado apenas uma vez em nove corridas, Vettel não parecia ser um postulante a pontos no GP dos Estados Unidos. Mas, usando de toda sua experiência, o piloto da Aston Martin conseguiu se aproveitar do fato de largar com pneus mais resistentes para ficar na pista por mais tempo e somar um ponto.

“Só fizemos 1 ponto hoje e tivemos que lutar muito por ele. Foi uma boa recuperação depois da punição no grid. Como esperado, foi uma corrida difícil para todo mundo tentando administrar os pneus com essa temperatura. Fiquei feliz quando todos pararam cedo, porque sabíamos que poderíamos ter uma chance ficando mais tempo na pista. Isso nos deu pneus mais novos no final. De onde largamos, acho que fazer um ponto é um bom resultado.” 

A Fórmula 1 tira uma semana de folga e volta às atividades no fim de semana de 5 a 7 de novembro, no Grande Prêmio do México. Assim como os Estados Unidos, o México também faz seu retorno à F1 após ficar de fora do calendário de 2020 em razão da pandemia do coronavírus. 



LINK ORIGINAL DA MATÉRIA

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Classificados D - Site de Anúncios Classificados Grátis
Logo
Comparar itens
  • Total (0)
Comparar
0
Shopping cart