Austrália cancela visto de Djokovic, citando risco à saúde


A Austrália cancelou o visto do tenista Novak Djokovic pela segunda vez nesta sexta-feira, dizendo que o número um do tênis mundial, que não foi vacinado contra a Covid-19, pode representar um risco à saúde.

O ministro da Imigração, Alex Hawke, usou poderes discricionários para cancelar novamente o visto de Djokovic, depois que um tribunal anulou uma revogação anterior do visto baseada no regulamento de entrada no país que visa conter a Covid-19 e o liberou da detenção de imigração na segunda-feira.

O jornal Age noticiou que o sérvio, que buscaria a partir de segunda-feira no Aberto da Austrália seu 21º título de um torneio de Grand Slam, um recorde, tinha sido convocado a comparecer perante os funcionários da imigração no sábado e não seria devolvido à detenção nesse meio tempo.

“Hoje exerci meu poder sob a Seção 133C(3) da Lei de Migração para cancelar o visto detido pelo Sr. Novak Djokovic por motivos de saúde e boa ordem, com base no interesse público”, disse Hawke em um comunicado.

Sob a Seção 133C, Djokovic não conseguiria obter um visto para a Austrália por três anos, exceto em circunstâncias imperiosas.

Ele tem o direito de contestar a revogação novamente, e uma fonte próxima à equipe do Djokovic disse que o tenista está ponderando sobre suas opções. O gabinete de Hawke não estava disponível para comentários.

A controvérsia intensificou um debate global sobre os direitos dos não vacinados contra a Covid e se tornou uma questão política complicada para o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, no momento em que ele faz campanha para uma eleição prevista para maio.

Embora o governo de Morrison tenha ganho apoio doméstico por sua posição dura sobre a segurança na fronteira durante a pandemia, ele não escapou às críticas pelo tratamento aparentemente inconsistente do pedido de visto de Djokovic

“Os australianos fizeram muitos sacrifícios durante esta pandemia, e eles esperam com razão que o resultado desses sacrifícios seja protegido”, disse Morrison em uma nota.

“É isto que o ministro está fazendo ao tomar esta ação hoje. Nossas fortes políticas de proteção de fronteiras mantiveram os australianos a salvo”, disse ele, acrescentando que não faria mais comentários em vista dos procedimentos legais esperados.

Djokovic, 34 anos, atual campeão do Aberto da Austrália, foi incluído no sorteio das chaves para o torneio como principal cabeça de chave e deveria enfrentar na estreia o compatriota sérvio Miomir Kecmanovic na próxima semana.

Parecendo relaxado, ele havia treinado seu saque e retornou com sua comitiva em uma quadra vazia no Melbourne Park mais cedo na sexta-feira, descansando ocasionalmente para limpar o suor de seu rosto.

Djokovic, que é cético em relação à vacinação, enfureceu muitos na Austrália quando anunciou na semana passada que estava indo para Melbourne com uma isenção médica aos requisitos para que os visitantes fossem vacinados contra a Covid-19.

Quando ele chegou, a Força Fronteiriça Australiana decidiu que sua isenção era inválida e o colocou em um hotel de detenção de imigração ao lado de requerentes de asilo por vários dias.

Hawke disse que havia considerado cuidadosamente informações de Djokovic e das autoridades australianas, acrescentando que o governo estava “firmemente empenhado em proteger as fronteiras da Austrália, particularmente em relação à pandemia da Covid-19”.

A Austrália passou por alguns dos lockdowns mais rígidos do mundo para conter a pandemia, tem uma taxa de vacinação de 90% entre adultos e viu um surto da variante Ômicron do coronavírus provocar quase 1 milhão de casos nas últimas duas semanas.



LINK ORIGINAL DA MATÉRIA

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Classificados D - Site de Anúncios Classificados Grátis
Logo
Comparar itens
  • Total (0)
Comparar
0
Shopping cart