Apple recorre da sentença no caso Epic Games e as mudanças na App Store podem ser adiadas


A Apple obteve uma vitória importante no início de setembro quando o tribunal deu razão à empresa de Cupertino no caso da expulsão da Epic Games da App Store. Contudo, a empresa ficou obrigada a aceitar pagamentos de outras origens nas apps do iOS e teria de fazer alterações na sua loja de aplicações já no início de dezembro.

Agora a Apple recorreu da sentença e as mudanças na loja podem ser adiadas.

Imagem Tim Cook no tribunal no processo Epic Games vs Apple

Apple quer ganhar tempo no caso Epic Games e nas políticas da App Store

Em setembro, a juíza Yvonne Gonzalez Rogers finalmente anunciou a sua decisão no caso Apple vs. Epic Games. Assim, o tribunal decidiu que a Apple não poderá mais proibir os programadores de redirecionar os utilizadores para sistemas de pagamento de terceiros, mas a Apple não concorda e está a recorrer da sentença – o que poderá atrasar estas alterações durante muitos anos.

A empresa enviou o recurso no caso da Epic Games na sexta-feira a pedir a suspensão da liminar que permitirá aos programadores adicionar outros sistemas de pagamento dentro das suas aplicações, além do método da Apple. Se a gigante da Califórnia for bem-sucedida na sua solicitação, a mudança no sistema de pagamento da App Store pode não entrar em vigor até o final do caso – o que pode levar anos.

Assim, o tribunal irá apreciar o recurso em novembro. Enquanto isso, a decisão proferida pela juíza Yvonne Gonzalez Rogers fica suspensa e já não deverá entrar em vigor no dia 9 de dezembro de 2021, conforme estava obrigada pela decisão de setembro.

 

Sistema de pagamentos in app (na aplicação) têm de mudar

Segundo o que foi anunciado pela Apple, no mês passado, a empresa prevê que haja alteração na política dos seus pagamentos, permitindo que os programadores possam redirecionar os seus utilizadores para serviços fora da App Store.

No entanto, esta alteração aplica-se apenas a aplicações que oferecem conteúdo de assinatura para revistas digitais, jornais, livros, áudio, música e vídeo. A decisão da juíza Rogers afirma que esta mudança se deve aplicar a todas as aplicações e não apenas aquelas consideradas “leitoras”.

A Apple Inc. e os seus diretores, agentes, servidores, funcionários e qualquer pessoa em concerto ou participação ativa com eles (“Apple”), estão permanentemente impedidos de proibir os programadores de (i) incluir nas suas aplicações e botões de metadados, links externos ou outras chamadas à ação que direcionam os clientes para mecanismos de compra, além de compras na aplicação e (ii) comunicação com os clientes através de pontos de contacto obtidos voluntariamente dos clientes via registo na conta da aplicação.

Disse juíza Yvonne Gonzalez Rogers.

Imagem Fortnite no Safari do iPhone voa Nvidia Geforce Now

 

Atualmente ainda é como a Apple quer e não como a Epic Games quer

Neste momento, os programadores ainda têm de pagar à Apple uma comissão de 30% para cada venda feita através do sistema da App Store. A Epic Games processou a Apple depois de tentar burlar o sistema de compras dentro da aplicação inserida na App Store, o que resultou na proibição do popular jogo Fortnite das plataformas da Apple.

Apesar da sentença referente à loja de software, a juíza também decidiu que a Apple não será forçada a deixar a Epic Games voltar a colocar o Fortnite na App Store.





LINK ORIGINAL DA MATÉRIA

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Classificados D - Site de Anúncios Classificados Grátis
Logo
Comparar itens
  • Total (0)
Comparar
0
Shopping cart